Artigos Descontraindo Opiniões Resenhas Sobre o autor

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Nada!

(Imagem/www.automundo.com.br)
Viemos por circunstâncias aparentemente iguais, mas vivemos das mais variadas formas. O que isso quer dizer? Nada! Ao pegar um ônibus você se depara com várias pessoas segurando panfletos iguais. Daí se pergunta: em qual momento todas elas estiveram juntas e receberam os informativo? Dormiram juntas? Moram no mesmo condomínio? Estavam na mesma parada? Em algum momento estiveram todos juntos, mas aí você percebe que isso também não quer dizer nada!

quarta-feira, 15 de julho de 2015

A Origem das espécies de Darwin


Esta é uma belíssima biografia que conta um pouco da história de um homem com uma teoria que mudou o mundo para sempre. A autora Janet Browne faz um breve relato do mundo do século XIX, antes e após a descoberta que tornou Darwin um ícone global, pertencente, numa observação maniqueísta, ao reino do bem e do mal - santo e pecador.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Cortem as cabeças!

(Imagem/Filme:Alice no país das maravilhas)

O Brasil bem que poderia evoluir, mas com um congresso tão conservador é mais fácil a vaca tossir! Projetos que visam implementar o criacionismo nas escolas como teoria paralela para explicar a origem das espécies, criminalização do aborto sob qualquer circunstâncias ou a (tão badalada) redução da maioridade penal me convencem de que a marcha ré foi adulterada e ninguém viu.  

sábado, 11 de julho de 2015

(Im)possível

(Imagem/arielnobrecoaching.com)
Poucas coisas nessa vida me deixam tão triste e apreensivo como a tarefa de superar problemas dos quais não posso resolver da noite para o dia. Ao contrário! Precisaria de dias, meses ou anos para, ao menos, assumir que é algo possível. Por outro lado, são, também, grandes experiências que lecionam sobre humildade. É como adestrar o ego ranzinzo a baixar a bola.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

O Criador

(Imagem/rodrigogurgel.blogspot.com)
Num certo vilarejo, perto de algum lugar, vivia um homem que ganhava a vida escrevendo sobre coisas e locais que nunca havia visto. Era mais conhecido como “O Criador”, já que tudo que escrevia era inteiramente desconhecido por ele e por todos. Mas o que ninguém sabia (além de tudo que ele escrevia) era que criar, para ele, poderia ser tão desesperador quanto arremessar-se da mais extravagante das pontes.